Entre a Religião e a Ciência
Leonardo Machado
Publicado em 24/02/2008

"A ciência e a religião são as duas forças da inteligência humana: uma revela as leis do mundo material e a outra, as do mundo moral." Escrevendo esta passagem em 1864, tinha inteira razão Allan Kardec ao afirmar a complementaridade dessas duas grandes forças do pensamento humano. Isso porque uma visão limitada da vida traz como conseqüência noções estreitas sobre a essência do ser e do universo. E dessa forma não se consegue obter uma perfeita harmonia no existir.

Acreditar que se consegue saber tudo apenas com as revelações religiosas ou somente com as descobertas científicas é por demais ingênuo. Além disso, pode ser, também, perigoso quando, inchando-se em orgulho, admite-se ser o detentor de toda a verdade.

As experiências da Idade Média e do século 19, justamente no momento no qual o ínclito codificador propôs corajosamente uma nova ordem, mostraram à humanidade que o radicalismo separatista pendendo exclusivamente para um destes dois lados é até capaz de gerar um certo e aparente desenvolvimento no primeiro segundo, gerando, porém, estagnação, revolta e absurdos logo depois.

Felizmente, porém, cada vez mais, esta aliança entre a ciência e a religião, entrevista pelo eminente pensador francês, vem-se tornando indispensável para um real desenvolvimento humano. Quanto mais se descobre na física quântica, mais se aproxima dos conceitos religiosos multimilenares. E, na medida em que antigas religiões se vão abrindo para as contribuições científicas, as angústias e as dúvidas dos indivíduos vão sendo solucionadas de modo mais abrangente.

Tinha razão, pois, Albert Einstein ao afirmar que "a ciência sem a religião é paralítica (lame) - a religião sem a ciência é cega (blind)" (Einstein - O enigma do Universo, de Huberto Rohden). Isto porque, para um real crescimento, uma precisa da outra, uma complementa a outra e, tendo um mesmo princípio, que é Deus, não podem, se verdadeiras, contradizer-se.

Por isso mesmo, juventude, em nosso desenvolvimento não podemos ignorar a ajuda que estas duas alavancas da sabedoria humana têm a nos oferecer. Tão indispensável quanto desbravar, em nossos dias juvenis, as leis do mundo material, é aprendermos a desenvolver aquelas do campo moral.

Observa o mundo ao teu redor e verifica quantas atrocidades são, e já foram, cometidas em nome do radicalismo científico-materialista e/ou religioso-fanático. Olha, igualmente, as quedas daqueles, ao teu redor, que se não apóiam nestas duas muletas. E, assim, verifica, jovem, como é importante o estudo científico, mas, também, como é urgente um retorno à religiosidade.

Permaneçamos, portanto, no caminho do meio do equilíbrio, não ignorando que "a ciência, é verdade, incha, mas a caridade edifica" e que "quem se ufana de seu saber, nem sequer sabe de que modo convém saber". (1ª Epístola aos Cor. 8: 1 e 2.)

Leonardo Machado é estudante de medicina da UPE e trabalhador do NEIL

Fechar

Endereço: Rua Marechal Deodoro, 460, Encruzilhada, Recife/PE - CEP 52030-170