Espírita brinca Carnaval?
Agnaldo Cardoso
Publicado em 27/01/2008

É Carnaval. Puxa! Como demorou prá chegar! Hora de relaxar! Hora de acabar com o estresse! Hora ansiosamente aguardada para “sair do sério”. Pierrôs, colombinas, palhaços e outras fantasias inomináveis, que muitas vezes refletem os desejos mais íntimos e nem sempre confessáveis dos foliões, surgem do nada, guiados pelo som irresistível dos tambores e clarins, para “cair na folia”. Quanta loucura... Mas é Carnaval e no Carnaval, tudo é permitido...

Marginais, no meio da multidão que pula de forma alucinada, aproveitam-se da confusão para cometer crimes. Muitos jovens e adultos, transtornados pela música hipnotizante, caem nas armadilhas das drogas alucinantes. É hora de sambar e frevar, além de trocar empurrões e cotoveladas. Esse é o lado da festa que podemos observar deste lado da vida. Mas há outro...

Pelo lado espiritual, o Carnaval observado do Além é lamentavelmente triste e perigoso. Milhares de espíritos infelizes também invadem às avenidas, num feio espetáculo, que transforma o Carnaval em um terrível circo dos horrores.

A música de Caetano que diz: “Atrás do trio elétrico, só não vai quem já morreu” está totalmente equivocada, pois os queridos malfeitores das trevas, os “vagabundos do mundo oculto”, vão atrás sim e se vinculam aos foliões pelos fios invisíveis das preferências que estes trazem escondidas no seu íntimo. Milhares de entidades vampirescas abraçam e se desdobram em influenciar os foliões, para juntos beberem, fumarem, se drogarem, se entregarem ao sexo desvairado.

O homem vive onde e com quem se sintoniza psiquicamente. E essa sintonia se dá pelos desejos e tendências existentes na intimidade de cada um. E é graças a essa lei de afinidade, que os espíritos das trevas se vinculam aos foliões descuidados, induzindo-os a orgias deprimentes e atitudes grotescas.

Quantos crimes acontecem nesses dias, quantos acidentes, quanta loucura... Tramas terríveis são ardilosamente arquitetadas no além-túmulo, esperando por esses dias em que o desequilíbrio é a tônica.

Enquanto os foliões se envolvem com o brilho dos refletores, com plumas, paetês, nas avenidas feericamente iluminadas, os bons espíritos vêem e lamentam pelo ambiente espiritual deprimente, triste, envolto em escuras nuvens criadas pelas vibrações mentais negativas.

As conseqüências cruéis desse grotesco espetáculo se fazem sentir de forma rápida e inexorável. É dramática a triste estatística de horrores, durante e após o Carnaval. Crimes acontecem depois do Carnaval, mas em conseqüência dele, como nos abortos realizados, fruto de envolvimentos insensatos.

Pergunte a si mesmo: vale a pena pagar o alto preço exigido por alguns dias de loucura? Vale a pena ver seu nome na estatística de horrores que acontece no Carnaval? Espero que não.

Alguns espíritas devem estar pensando: Eu brinco, mas não faço nada de errado! É possível. Mas se você atravessar um pântano de lama fétida, local de doenças e outras mazelas, pode até acontecer de você não adoecer, mas que vai sujar-se, não há a menor dúvida...

Para atravessar a tempestade de energia negativa do Carnaval, sem ser tocado por ela, só se você for alguém espiritualmente iluminado. Mas se você for tão iluminado, com certeza não estará ali.

Agnaldo Cardoso é do Neam - Olinda.

Fechar

Endereço: Rua Marechal Deodoro, 460, Encruzilhada, Recife/PE - CEP 52030-170