HUMILDADE FRÁGIL
Leonardo Machado
Publicado em 13/01/2008

Ninguém ignora ser a humildade um dos pontos máximos da peregrinação de Jesus na Terra, bem como de sua mensagem entre nós. Allan Kardec a esse respeito chega mesmo a anotar que “em todas as circunstâncias, Jesus põe a humildade na categoria das virtudes que aproximam de Deus”. (O evangelho segundo o Espiritismo, capítulo 7).

Sendo assim, o próprio Mestre, exemplo maior, desde o berço envolto de simplicidade até o calvário em torno de silêncio, escolheu esta divina virtude como sendo seu norte seguro e seu símbolo de luz. Foi exatamente por isso que Ele nunca se cansou de ensinar tal sentimento. Da primeira bem-aventurança, anotada por Matheus (Mt 5:3), à exaltação dos rebaixados da terra, escrita por Lucas (Lu 14:11), recitou para a posteridade versos de peregrina beleza em louvor à simplicidade de coração.

Há muito, porém, a humanidade vem ignorando tal preceito áureo. Particularmente, muitos cristãos. Esquecê-la, no entanto, é erro gravíssimo, pois que, conforme explicações de Lacordaire, “sem a humildade, apenas vos adornais de virtudes que não possuís, como se trouxésseis um vestuário para ocultar as deformidades do vosso corpo”. (O Evangelho segundo o Espiritismo, capítulo 7)

A verdade, entretanto, é que sentir a humildade em sua plenitude é algo bastante difícil, especialmente por conta dos milênios entregues aos desvarios do orgulho que, agora, persistem em pesar na balança sentimental íntima.

Nesse sentido, porque se conhece a mensagem objetiva de Jesus, mas ainda não se consegue realizá-la por completo, começa-se a formular ritos, quase dogmas, e atitudes estereotipadas que seriam a chave da aceitação do mundo para se intitular humilde.

Entrementes...

Roupas gastas? Sinal objetivo de simplicidade! Um falar manso? Regra ímpar! Recebe-se parabéns ou palmas com respostas afetadas de recusa – “quem sou eu? que é isso?” Conduta inequívoca de um humilde de coração! Vangloria-se, com a boca, a crítica? Ótimo, afinal esta é sempre construtiva... Ledo engano.

E, de engano a engano, constrói-se um arsenal do “bom-proceder para se ser humilde”, detendo-se na forma, esquecendo-se, no entanto, do fundo.

A humildade, contudo, forjada desta maneira será sempre uma “humildade frágil”, pois que, passageira como as convenções, não é capaz de arquitetar no indivíduo as benesses inefáveis proclamadas pelo Cristo. Não foi este tipo de simplicidade ensinada pelo Mestre. E não é este tipo que aproxima o ser de Deus.

A verdadeira humildade é aquela que não se envaidece por nada, aquela que promove, de modo espontâneo, atitudes sem perceber e sem pretensões, aquela que permanece íntegra apesar dos elogios e dos clamores do mundo, bem como das pedras que recebe. E é esta a humildade forte proclamada e vivida por Jesus.

Leonardo Machado é estudante de medicina da UPE e trabalhador do Neil.
www.leonardomachado.com.br

Fechar

Endereço: Rua Marechal Deodoro, 460, Encruzilhada, Recife/PE - CEP 52030-170